Extrovertido, diferente, original…

nando_topo

Com 27 anos de carreira, experiência e técnica, espontaneidade e energia no palco são indiscutíveis. Desde que passou a integrar o então grupo Os Titãs do Iê Iê Iê (em que fazia backing vocal antes de assumir os arranjos de baixo), Nando Reis destacou-se como compositor de canções que até hoje o público pede em côro durante os shows. É o caso de “Marvin” que, junto a “Whisky a Go Go” e “Do Seu Lado” fez parte do Bis no sábado (26/09) em Viçosa-MG.

Era a segunda noite do Skol Música Redonda nas Universidades, realizado no Espaço Multiuso da UFV, com produção de Troop, FACEV e ArtBHZ (na sexta-feira, Marcelo D2 assumiu o palco).

A apresentação de Nando Reis contou com músicas do novo CD Drês, de A Letra A (2003), MTV ao Vivo (2004) e Sim e Não (2006). O cantor destacou a forte ligação e a recorrência do tema “família” nas canções, ainda que em algumas delas não sejam tão claras como em “Drês”, “Só para So”, “Hi, Dri” (CD Drês), “Espatódea” (Sim e Não) e “O Mundo é Bão Sebastião” (MTV ao Vivo), todas parte da set list em Viçosa. Continuar lendo

Delírio sem febre

topo3

Em um misto de lembranças e presença marcante, quem assistiu ao show do grupo Nem Secos, na noite do último sábado, sentiu a energia transbordada pelos rostos pintados, pelos detalhes gestuais e expressões escancaradas no palco.

Mais do que reviver a poesia de Secos e Molhados, o grupo traz uma nova identidade e arranjos próprios para canções consagradas. Tudo com uma pitada de espontaneidade, prazer e emoção.

Após três vindas a Viçosa-MG (2003, 2007 e 2008), o grupo Nem Secos se apresentou novamente na cidade no último sábado, dia 19 de setembro, no espaço Galpão. A iniciativa do show partiu do Projeto Musical Box Alive, em sua 11ª edição, que também trouxe The Teddies com interpretações de The Beatles e outros clássicos britânicos.

Vindos de Belo Horizonte, os integrantes do Nem Secos acabavam de chegar a Viçosa e estavam no Galpão, por volta de sete horas da noite, realizando os últimos ajustes para o show.

Já na passagem de som, enquanto esperávamos pela segunda entrevista do grupo ao Estúdio ao Vivo (a primeira, realizada em 2008, você confere aqui), a afinação das vozes e a equalização dos instrumentos prometiam uma grande performance – assistida horas depois por um público de cerca de 550 pessoas.

Após rápidas interpretações, Pablo Cardoso (vocal), Carlos Wagner (guitarra) e Carlos Linhares (baixo e vocal) nos receberam para falar um pouco sobre os novos integrantes, o espetáculo da noite e os projetos do grupo. Continuar lendo

Caixa de Música do Rock

topo3

Reviver de forma surpreendente e mágica timbres de Raul Seixas e Janis Joplin, danças e interpretações de Secos & Molhados, covers de The Beatles, The Doors e outros grandes clássicos: é essa a experiência de acompanhar as edições do Musical Box Alive.

Da vontade de homenagear, construir e perpetuar uma cultura da “música de qualidade” em Viçosa-MG, Carlos Marques (Carlinhos) partiu para o primeiro passo do que viria a ser um dos eventos mais bem prestigiados e duradouros da cidade: o programa Musical Box, da Rádio Universitária FM, apresenta bandas de Rock, Jazz, Blues e MPB.

A idéia de transpor para um evento o mesmo estilo do programa de rádio fez surgir o Musical Box Alive, que chegou, no último sábado, à 11ª edição realizada no Espaço Galpão, com a atração principal do grupo Nem Secos. A abertura ficou por conta de The Teddies – formada por Alexandre Costa (Vocal e meia-lua), Rodrigo Carneiro (violão) e Ricardo Cambraia (guitarra, participação especial) e que homenageia nas canções o Rock britânico e no nome o bar que proporcionou o surgimento da banda.

O porquê da escolha das atrações e do sucesso do evento você confere na entrevista concedida por Carlinhos ao Estúdio ao Vivo.

Ana Cláudia, Pablo Cardoso, Gustavo Maia, Beto, Hugo Bizotto, Carlos Linhares, Carlos Wagner, Sune Salminen, Leo Macedo e Carlinhos

Ana Cláudia, Pablo Cardoso, Gustavo Maia, Breno, Hugo Bizotto, Carlos Linhares, Carlos Wagner, Sune Salminen, Leo Macedo e Carlinhos

Vôo
Tudo começou com o Programa Musical Box na rádio [Universitária FM]. É um programa onde eu tenho como temática valorizar a música de qualidade, o que não é abordado em rádios populares hoje, ou seja, Rock’n Roll, a Música Popular Brasileira, o Jazz, o Blues, enfim.

Isso era só o programa, até que um belo dia juntei com uns bons amigos e “vamos colocar isso em show”. Nos shows, a proposta era abordar o que a gente tocava no programa.

Toada & Rock & Mambo & Tango & etc.
O Nem Secos Nem Molhados é uma excelente banda que, além de misturar o teatro com a música, retrata a fase de Secos e Molhados, que dentro da música brasileira foi uma banda que teve grande contribuição.

A segunda edição do Alive nós fizemos com eles, foi um sucesso incrível. Acho que depois de um bom tempo já, estamos hoje na 11ª edição, nada melhor do que trazê-los novamente para fazer uma segunda apresentação.

E a música brasileira também – já que a gente sempre trabalha Rock’n Roll, Blues, Jazz – acontece pouco. Fizemos o Mutantes, mas agora vamos fazer o Nem Secos novamente.

A questão da abertura, a gente poderia fazer um Rock’n Roll, mas as bandas que a gente tem na manga, de Rock’n Roll, a gente já trouxe várias vezes. Então a gente está sempre querendo apresentar algo inédito e essa banda de abertura é sempre frisando bandas da região, bandas nativas.

Eu conheço o Ary, que é o principal integrante do The Teddies, há algum tempo, por causa do Soniq IQ. Eu descobri que ele está com um trabalho legal no Teddies, que é um acústico sempre trazendo canções de The Beatles. Bati um papo com ele e consegui fechar um esquema num molde diferente: vai ser a primeira apresentação acústica no Galpão dentro do Musical Box Alive. Vai ser guitarra, violão, voz, meia-lua, canções de The Beatles e canções clássicas do Rock’n Roll, como Pink Floyd, The Doors, Led Zepellin. Pelo fato da música brasileira ser o tema principal desse evento, acho que um esquema acústico mais light seria bem bacana.

O Doce e o Amargo
Dificuldade sempre há, porque conseguir patrocínio em Viçosa é complicado. E trabalhar esse estilo também é complicado. Acho que a grande massa hoje é pop. Você tem o Sertanejo, o Axé, o Pagode, que dominam hoje a cidade. Acho que também a galera se preocupa mais em festa para “tocar o terror”, pegação, chapação. Então a galera deixa de lado a valorização da música.

Acho que trabalhar no Galpão e com esse número de pessoas que eu fico entre quinhentas, seiscentas e poucas pessoas, que é o público do Galpão, fica mais fácil.

Mas a questão do patrocínio ainda é fetiche. Eu consegui montar um vínculo de apoio que é o que hoje facilita eu estar ainda continuando com os eventos. É uma turma que está sempre apoiando e que está presente em todos os eventos, então é o que facilita eu continuar com o Alive.

···········································
Os títulos fazem referência a músicas do grupo Secos & Molhados.

Imagem de topo: Lara Marx
Foto: Amanda Oliveira

Artista Completo

post_1

São 33 anos de música, dança, sensualidade e carisma em cima do palco. Ele já foi “O Amante” (1979), “Espetacular” (1982) e “Aventureiro” (1998) em discos que somam mais de 20 na carreira – dentre inéditos, regravações e coletâneas. Sidney Magal saltou de programas de TV, boates e casas noturnas aos palcos europeus; de música italiana e MPB aos ritmos latinos; e com influências que formam uma verdadeira “salada musical” (expressão do próprio artista) construiu um caminho de sucesso.

Festa Brega

A decoração do palco, as músicas de abertura e as roupas dos organizadores adaptavam o ambiente do Espaço Multiuso na Universidade Federal de Viçosa ao tema da festa que trouxe como principal nome Sidney Magal. Ainda na fila de entrada, era clara a diversidade do público em relação a idade e estilo mas, ao mesmo tempo, a animação compartilhada. Cores e combinações inusitadas traduziam a diversão de cerca de 4.500 pessoas no evento produzido pelo Hospital São João Batista em parceria com a Comissão de Formatura-UFV (Janeiro de 2010).

A banda Ponto Com deu início às apresentações da noite, com repertório nostálgico que incluía sucessos da Jovem Guarda, do estilo Brega, Lambadas, músicas infantis e internacionais – Bee Gees, ABBA, The Beatles, Village People, dentre outros. O grupo ainda retornaria ao final para cantar os estilos Axé e Sertanejo. O DJ Alessandro Trevisano também participou como atração.

Ao ser anunciado o nome de Sidney Magal, o público concentrou-se em frente ao palco. Cartazes chamaram atenção e as manifestações de fanatismo pelo cantor dificultaram o trabalho dos seguranças.

Continuar lendo

Biquini Cavadão, Ao vivo – Volume 2

biquini_topoSão 24 anos de sucesso. Desde o primeiro disco gravado, o EP No Mundo da Lua (1985, com as canções No Mundo da Lua e Tédio), as músicas do grupo Biquini Cavadão permanecem marcantes nos shows. No último sábado, a cidade de Teixeiras – MG prestigiou pela primeira vez Álvaro (bateria), Bruno (voz), Coelho (guitarra, violão e vocais) e Miguel (teclados e vocais).

No repertório, os CDs Sucessos Regravados 1985-2007 (volumes 1 e 2) e 80 vol.2 – Ao Vivo No Circo Voador (2008), com covers de Exagerado, Bete Balanço (Barão Vermelho), Índios (Legião Urbana), dentre outros.

Os músicos Patrick Laplan (baixo, efeitos e vocais; baixista no primeiro trabalho do grupo Los Hermanos) e Walmer Carvalho (Sax tenor, flauta, percussão e vocais; em turnê com o Biquini desde o Ao Vivo de 2005) contribuem nos arranjos cada vez mais elaborados que compõem versões diferenciadas a cada turnê.

biquini_2

Destaque também para o momento em que os integrantes da banda selecionam um fã para subir ao palco e assumir os vocais da canção No Mundo da Lua (primeira foto).

A grande presença de viçosenses no público ficou clara quando Bruno Goveia perguntou sobre o Recanto das Cigarras, e criticou: “quando o Reitor vai acordar?”, ao ser informado que ainda não há liberação para shows. Em 2006, o vocalista também expressou a vontade de tocar novamente no local.

O evento em Teixeiras, que contou com a presença de Biquini Cavadão, foi gratuito e durou três dias (sendo finalizado nesta segunda-feira), com apresentações de diversos grupos, dentre eles Treme Terra.

Agenda
Confira os próxmos shows de Biquini Cavadão:

19 de setembro
Rio de Janeiro (RJ)
Mercadão – Jacarepaguá

2 de setembro
Volta Redonda (RJ)
Ilha São João

26 de setembro
Lorena (SP)
Cervejaria do Gordo

Curiosidades
Biquini Cavadão ainda lançou, em 2007, Só Quem Sonha Acordado Vê O Sol Nascer, conforme comentado em entrevista ao Estúdio ao Vivo, na ocasião da última apresentação em Viçosa, dia 2 de julho de 2006, no Espaço Multishow.

Foram outras três apresentações na cidade:
25.10.2003, no Recanto das Cigarras.
23.09.1995 e 08.04.1989 (desconhecemos o local).

Fotos: site oficial Biquini Cavadão: http://www.biquinicavadao.com.br
Imagem de topo: Lara Marx

Independência ou Morte, com Gabriel Thomaz

GabrielO Estúdio ao Vivo inaugura, hoje, a sessão Independência ou Morte, na qual serão entrevistados artistas e profissionais ligados à música independente brasileira. As entrevistas serão usadas, também, para a elaboração de um projeto experimental, com o mesmo nome, abordando o uso da comunicação na música independente.

O primeiro entrevistado foi o vocalista e guitarrista da banda Autoramas, Gabriel Thomaz. Durante o papo descontraído, o músico falou sobre o cenário musical, mercado e manteve certo mistério sobre o MTV Apresenta Desplugado, com o trio carioca, que vai ao ar em novembro.

Confira a entrevista na íntegra: Continuar lendo