O Universo Alternativo de Raulzitles

Os produtores Carlos Marques à esquerda e Breno Carvalho à direita acompanham a passagem de som da banda Raulzitles: Cristhian, Bhyduh, Guilherme e Khadhu


Histórias de dois fenômenos musicais, que inauguraram um estilo de características singulares e transformaram pelas composições o modo de pensar e agir de uma legião de fãs, serão reeditadas no Musical Box Alive XV.

A pedido do público – tanto o que esteve presente na 10ª edição do evento quanto o que acompanhou a repercussão do show – os produtores Breno Carvalho e Carlos Marques trazem novamente à Viçosa a banda Raulzitles (Belo Horizonte), que se apresenta hoje no Espaço Galpão, com abertura de O Quinto.

O “show diferenciado, pela qualidade dos músicos e pela mescla do repertório de dois grandes ídolos, Raul Seixas e The Beatles”, será uma oportunidade de prestigiar o “clássico, bom e velho Rock’n Roll” [Breno Carvalho].

Raulzitles tem em sua formação artistas mineiros consagrados, premiados e reconhecidos em todo o Brasil pelos trabalhos em grupos como Cartoon (um dos principais representantes do rock progressivo nacional, que lançou a primeira Ópera Rock do país).

Khadhu é baixista e vocalista, e tem no repertório de instrumentos violão, harmônica e os indianos esraj e sitar; o baterista Bhydhu tem como maiores influências a música indiana, o rock progressivo e a música clássica; Guilherme Rancanti é guitarrista, tecladista e tocava covers de Aerosmith e Guns’n Roses na banda Aeroguns; e o baixista Cristhian Magalhães já experimentava os acordes ingleses no grupo Free as a Beatle.

As experiências são reveladas no palco em compassos que formam uma única harmonia e representam uma homenagem descontraída às ideias alternativas de Raul Seixas e ao universo revolucionário de The Beatles

Os ingressos já estão esgotados. Cerca de 630 pessoas devem comparecer ao Galpão logo mais.

Anúncios

No Ar: Musical Box [9] · Two of Us: o Rockixe de Raul e The Beatles

De leituras metafísicas e antológicas a coleções de momentos tristes e alegres, um baiano considerado o primeiro roqueiro brasileiro reproduzia em suas canções a malícia influenciada pelos músicos que considerava almas gêmeas: Elvis Presley e Luiz Gonzaga.
Conhecedor dos sertões, em viagens de trem que realizava com o pai, e da cultura dos Estados Unidos, em convivência com norte-americanos ainda em Salvador – BA, Raul Santos Seixas fez da sua obra e sua vida uma ópera, marcada pela teatralidade espontânea, o vestuário produzido, a música intensa e as idéias alternativas.

Compôs “Metamorfose Ambulante” com 12 anos de idade e “Ouro de Tolo” logo depois, mas com a primeira banda Raulzito e Os Panteras foi um fracasso de vendas. Já no Rio de Janeiro, produziu artistas pós-jovem guarda, mas foi num Festival da Canção que mostrou a performance que o lançaria como o maluco beleza: “Let me sing, let me sing” misturava o Rock dos anos 50 com o Baião nordestino e lançava o estilo definido pelo próprio músico como “Raulseixismo”.

Em harmonias e letras simples, Raulzito expressava filosofias e críticas aprofundadas, cada novo disco sendo “sempre uma controvérsia do outro disco que passou”. “Sociedade Alternativa” ganhou força de hino pela mudança política e social, resultou na expulsão do artista do Brasil durante o governo Geisel e tornou-se tema central das conversas que manteve com John Lennon no exílio em Nova Iorque. Mesmo em 1989, eram 11 as canções censuradas.

A própria realidade comportamental da época era criticada por Raul, que a considerava caótica e apenas um reflexo da sua geração. Para ele, o movimento Rock’n Roll dos anos 60 influenciou todos os setores culturais, inclusive com o advento hippie e o sucesso de The Beatles: os quatro jovens de Liverpool (Inglaterra) que deram início, em 1962, a uma modificação na forma de fazer, entender e gravar Rock and Roll.

Extrapolando os padrões da época e viajando através de um universo de oito anos, John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Star expressaram personalidade, rebeldia, carisma e senso de humor em letras simples e marcantes, fazendo com que o ritmo que antes era fabricado em função da dança passasse a ter como fim a própria música.

Entre temáticas juvenis nos primeiros álbuns como em “Love me Do” (1962), críticas sociais e problemas humanos a partir de “Roubber Soul” (1965) e a intensidade e profundidade do lirismo experimental com recursos de música clássica e instrumentos orientais em “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band” (1967), o grupo fez do rock da década de 60 uma abertura para a liberdade e para a renovação, dando compasso a uma nova geração.

Das populares turnês pela Europa e pelos Estados Unidos à obra gerada exclusivamente em estúdio, The Beatles transformou um rock “iê iê iê” em uma união de psicodelismo, talento, criatividade e tecnologia de ponta.

No Ar: Musical Box
Ainda que tenha alcançado o primeiro lugar em vendas em várias partes do mundo, o álbum Lei It Be ficou marcado pela história de um ano e quatro meses de gravações, desentendimentos, abandonos e receio em retomar a vida instável das turnês, quando a histeria das fãs superava a valorização das músicas de The Beatles.

O fim do grupo foi anunciado após o fracasso do projeto idealizado por Paul McCartney e inicialmente pensado como “Get Back” que, literalmente, tentaria voltar às origens, com canções mais simplistas, de um Rock’n Roll gravado e filmado em apresentações ao vivo. Let It Be teve passagens turbulentas, como a saída temporária de George, a participação de três produtores e a idéia comum de que o material estava fraco para os padrões da banda, o que adiou seu lançamento.

O Musical Box desta quinta-feira (13) apresenta o especial do disco de 8 de maio de 1970 em suas versões originais com orquestras, corais, gravações ao vivo e em estúdio de músicas como “Get Back”, “I Me Mine” e “The Long and Widing Road”.

Completam o repertório o melhor da música nacional, com toda a versatilidade e genialidade das canções de Raul Seixas nas ondas da Rádio Universitária (100,7 FM ou http://rtv.ufv.br) a partir das 20h.

O Programa é uma referência ao Musical Box Alive XV, que acontece no próximo sábado, 15 de maio, com a banda Raulzitles (BH), em um show que promete ser descontraído e emocionante dedicado aos dois ícones do rock.

Entrevista Hocus Pocus

post_topo_hocus

No último dia 09 de outubro, antes do início da Festa Flash Back, os integrantes da Hocus Pocus – cover de The Beatles –  conversaram com a equipe do Estúdio ao Vivo  sobre os 25 anos da banda, a relação com o público e o show que começaria poucas horas depois.

···········································

Confira mais informações sobre a Hocus Pocus na entrevista realizada pelo Estudio Ao Vivo com a banda em 2006.

Site Oficial
Hocus Pocus