Ao Vivo

A partir de amanhã, o Estúdio ao Vivo começa a mostrar o melhor dos shows que cobrimos em Viçosa nessa última semana.

Bandas Dark Side, S.O.M.B.A e Monobloco serão apresentados em entrevistas, vídeos e fotos.

Agradecimentos:
Produtora LBS;
Musical Box;
Quinta VIP.

Programe-se!
Hoje tem Monobloco no Espaço Fama, em Viçosa – MG, a partir das 23h. O Estúdio estará lá!

Anúncios

Dark Side – O show


O momento não poderia ser mais propicio e mais sugestivo: 16 de agosto, data de um eclipse total da lua. Nesse mesmo dia, simultaneamente ao fenômeno, a banda Dark Side apresentou o espetáculo The Dark Side Of The Moon, onde tocou, na íntegra, o disco homônimo dos britânicos do Pink Floyd. Tanto o espetáculo da banda, ocorrido no Centro de Vivência da UFV, quanto o da natureza, duraram aproximadamente duas horas. O Espaço Fernando Sabino serviu ainda para que as imagens fossem registradas para o primeiro DVD da banda, ainda sem data de lançamento definida.

Para aquecer os motores, a Dark Side tocou In The Flash, Wish You Were Here e Shine On Your Crazy Diamonds. Além das músicas, eles utilizaram elementos que o Pink Floyd sempre explorava nos espetáculos, como o teatro e os telões, transformando apresentações em verdadeiras óperas rock.

Logo após foi a vez de entrar em cena um dos maiores discos de todos os tempos, irretocável, que esteve por mais de 20 anos entre os mais vendidos nas paradas da Bilboard. A impecável execução da banda levou a platéia, que tomava quase todos os assentos do lugar, ao delírio.

O show, que teve ares de superprodução, foi fechado com Confortably Numb, High Hopes e Echoes, música épica dos britânicos, com aproximadamente 23 minutos de duração, e agradou bastante a todos os que viram. Apesar de não ser uma banda cover (somente) de Pink Floyd e de um natural nervosismo no começo do show, a banda impressiona pela competência e pelo feeling demonstrado no show. Tão impressionante quanto isso, foi produção do espetáculo, que não deixou em nada a desejar para grandes shows já realizados em Viçosa. Dark Side é uma ótima pedida pra quem gosta, não só de Pink Floyd, mas de rock progressivo de qualidade.

Em breve fotos do show e a entrevista com a banda.

Quem teve infância na década de 80 pode até não assumir, mas sabe cantarolar um Ilari-ilari-ê ô ô ô, ou um Parabéns! Parabéns! Hoje é seu dia, que dia mais feliz. Os hits infantis dessa época eram em sua maioria interpretados por loiras apresentadoras de programas para crianças. É verdade que haviam exceções a esse formato, como o Trem da Alegria, o Balão Mágico e a Mara Maravilha. Bem, não tão exceções assim. Na verdade, surpreendentemente, vários dos principais hits infantis da geração anos 80 e 90 provêm de dois únicos nomes: Sullivan & Massadas.

Elementar meu caro. Você realmente imaginava a Xuxa com um caderninho na mão, perdendo horas de sono para saber como rimar Lua de cristal que me faz sonhar, faz de mim estrela que eu já sei…??? Quando precisava ela apenas ligava para o Tio Porquinho e o Tio Formiguinha (como ela chamava os dois) e encomendava uma nova canção.

Michael Sullivan, na verdade Ivanilton de Souza Lima, foi, dos dois, o que mais investiu nesse segmento musical e, ora sozinho ou com o parceiro Massadas, compôs músicas como:

Xuxaxé, Xuxa Park, Parabéns da Xuxa, Parabéns da Angélica, A Vida é uma festa, Arco-íris, Brincar de Índio, Fada Bela, A Festa da Patchanga, Uni-duni-tê, É de Chocolate, Amigo do Peito (tema do criança esperança), Eu Não Largo o Osso (TV Colosso), He-Man, Iô-Iô, Lua de Cristal, Meu Herói, Pra Ver se Cola, Thundercats, Tic-Tac do Amor e muitas outras que não ficaram tão conhecidas.

Ele é inclusive o criador do Trem da Alegria. Xuxa, Eliana, Mara Maravilha, Angélica, Balão Mágico, Paquitas, praticamente todos os cantores infantis da época têm músicas by Sullivan.

Mas Michael Sullivan, nome artístico escolhido numa lista telefônica americana, não se limitou ao sucesso no universo infantil. Ele também alcançou hits com músicas adultas, como Um Dia de Domingo, gravado por Tim Maia e Gal Costa e a recente e grudenta “Carnaval, futebol, não mata não engorda e não faz mal” do Babado Novo.

O Tio Porquinho, como diria Xuxa, continua ativo na indústria musical, seja compondo, produzindo ou até cantando. Mesmo algumas de suas intérpretes infantis terem mudado completamente de ramo musical, como Mara Maravilha, hoje cantora gospel, ele continua produzindo músicas para elas.

O mais recente trabalho de Sullivan como artista é o álbum Pernamblack que deverá ser lançado neste ano e conta com inusitadas participações, como a do ator Lázaro Ramos.

As faixas do CD já podem ser ouvidas no site oficial do músico.

Música para bebês

Música para os pequeninos? Por que não?

Se para os adultos a música, quase sempre, tem um significado especial, para as crianças não poderia ser diferente. A musicalização de bebês, recomendada a partir dos oito meses de idade até os três anos, ajuda no desenvolvimento intelectual e físico dos pequenos, além de ser um instrumento de socialização.Compreendendo a importância da musica para a formação de recém nascidos, várias escolas ao redor do país desenvolvem métodos e, cada vez mais, aumenta o número de profissionais que se dedicam a essa atividade.Muitas explicações são cabíveis para a musicalização de bebês. A primeira, e talvez a principal, é de que a música ajuda o bebê a desenvolver sua capacidade motora, a concentração e a capacidade de viver em grupo, pois normalmente as aulas são realizadas com quatro ou mais crianças ao mesmo tempo. Outros benefícios são: o aumento da percepção musical e da capacidade de lidar com sons em silêncio.

Nessas aulas, que estimulam tanto no desenvolvimento dos pequeninos, as crianças têm que tocar instrumentos de brinquedo e improvisar arranjos, inventar composições, entre outras coisas, como cantorias de cantigas e audição de músicas e estórias.

A idade das crianças nesse processo de musicalização também é muito importante, pois até os três anos elas estão no seu nível máximo de capacidade de aprendizado, por causa do grande desenvolvimento das conexões cerebrais. Isso faz com que aprendam muito rapidamente e com maior facilidade. Porém, segundo especialistas, a idade ideal para que uma criança inicie o aprendizado de algum instrumento musical é a de cinco anos. E os instrumentos recomendados são flauta e piano, mas isso deve ficar a escolha do próprio guri, mesmo que este opte por algum outro.

Se acham que acabou por aqui, se enganam. A música ainda influi na pressão arterial e nos batimentos cardíacos das crianças, além do metabolismo e do suco gástrico, prevenindo assim o medo e o stress.

Para os pais de primeira viagem, eis uma dica muito valiosa.

Para criança ouvir

Tive a felicidade de presenciar o aniversário de 1 ano da linda Manu (foto), e se você acha que escutei por lá todas as edições de Xuxa só para baixinhos, eis aí um tremendo engano.

Parte do repertório da festa mostrava (nas projeções de vídeo) grandes arranjos de Antonio Pecci Filho, o Toquinho, cantor e compositor que interagia com animações do Mundo da Criança.

É um site de conteúdo voltado ao entretenimento e educação infantil. Além do espaço virtual, são lançados CDs, DVDS e livros. Toquinho Visita o Mundo da Criança, lançado em 2005, é o primeiro de uma série que traz os personagens do site e animações com as músicas Aquarela (Premiada no Festival de Cinema Infantil de Chicago 2003), O Pato, O Caderno (minha preferida), Errar é Humano, A Bicicleta, Mundo da Criança e A Casa. O Cd tem 12 canções.

A qualidade dos vídeos me deixou boqueaberta. Tudo no estilo Flash, com personagens muito bem feitos em desenho e interpretações sutis (com por exemplo a de O Caderno – confira abaixo) que fazem com que as crianças não desgrudem da tela.

Mas a maior descoberta que fiz (graças aos inúmeros primos/as e festinhas de aniversário) foi o grupo Palavra Cantada. Sandra Peres e Paulo Tatit juntaram-se desde 2004 com este selo para produzir um tipo de música infantil “moderna, lúdica e poética”. Já são 11 CDs, 4 DVDs e turnês por todo o País.

Pelos trabalhos primorosos, o grupo ganhou os prêmios SHARP (1994, 1996 e 1998); CARAS (CD-Livro Canções do Brasil, em 2001); e TIM (pelo CD e DVD Pé com Pé, de 2005).

O novo show Carnaval e Sucessos da Palavra Cantada tem estréia prevista para fevereiro de 2008, com canções de sucesso da dupla e do CD Carnaval Palavra Cantada.

Abaixo, uma das músicas mais divertidas da dupla Criança não trabalha, em parceria com Arnaldo Antunes:

Acesse o site da dupla.

Orquestra Sinfônica do Mato Grosso

Antes de falar sobre o melhor da música infantil, o Estúdio mostra a cobertura do espetáculo musical acompanhado na cidade de Vitória da Conquista – Ba. Para quem pensa que brasileiro não aprecia uma boa música clássica, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e a Orquestra Sinfônica do Mato Grosso provam o contrário. Com o Projeto Sonora Brasil – Formação de ouvintes musicais, o Maestro Leandro Carvalho comanda uma rica interpretação da obra de Heitor Villa-Lobos (1887-1959), grande compositor brasileiro de renome internacional que compôs mais de 1000 músicas, dentre choros, sinfonias e concertos. Este é o 11º ano de Projeto, em que “grupos nacionais identificados com o desenvolvimento histórico da música no Brasil circulam anualmente pelo País”.

Na apresentação (completa), violinos, violas, violoncelos, contrabaixo, flauta, oboé, clarinete, trompa e percussão (confira os nomes dos músicos ao fim do texto) compõem a Orquestra, fundada em 2005 e conhecida como a única do país a incluir instrumentos “populares” . O programa inclui: Bachianas Brasileiras nº4 e 9, Ciranda das Sete Notas, Cirandas, Choros nº5 – Alma Brasileira, Danças Características Africanas – Danças dos Índios Mestiços do Brasil.

O Maestro Leandro Carvalho é reconhecido como um dos mais criativos músicos da nova geração de artistas brasileiros, tendo estudado no exterior e desenvolvidos técnicas muito individuais de regência. Ele concedeu entrevista ao Estúdio ao Vivo enquanto recebia o público no palco. Quem não conseguiu entrar no Centro de Cultura Camillo de Jesus Lima pode confirir abaixo, acompanhada de um trecho da apresentação:

Qual a particularidade em tocar em outras cidades e qual a diferença em tocar para diversos tipos de público e não apenas o de Mato Grosso?

Pra gente, tocar em todo o Brasil é uma experiência fascinante. A gente tem muito contato com as pessoas, normalmente quando a gente chega na cidade, a gente anda pela cidade, conversa com todo mundo… Os técnicos do Sesc são um bom termômetro, eles acabam apresentando a gente para vários artistas, para as pessoas com quem temos mais semelhança.

É sempre uma experiência fascinante, sempre uma energia diferente, o público reage de uma maneira diferente. E este contato depois do concerto é fundamental, é nessa hora que a gente pode trocar uma idéia, se aproximar de pessoas diferentes da gente, que estão vindo pra curtir música, pra curtir uma orquestra, curtir Villa-Lobos. É nessa hora que a gente consegue sentir um pouco da cidade.

Acredito que mesmo o Brasil sendo um país tão heterogêneo, diante da música de Villa-Lobos todos se emocionam. Isso que é impressionante. Porque Villa-Lobos conseguiu compreender a essência do povo dele e colocar isso na sua música. E com certeza as viagens que ele fez pelo Brasil, essa visão ampla que ele tinha do país (como ele dizia, que conhecia o Brasil não dos mapas, mas da terra, ele andava, ele vivenciava), é daí que vem essa essência da música dele.

Para quem está iniciando na Música, qual o seu conselho?

A música exige muita dedicação. Muita mesmo, você vive 24 horas por dia em função disso. Então se a pessoa quiser viver profissionalmente com a Música, se tem isso claro e está disposta a entregar sua vida pra Música, vale a pena. Mas fora disso, como uma coisa supérflua ou uma atividade secundária, é muito difícil a pessoa conseguir alcançar uma dimensão maior, até mesmo de compreensão do ofício. Mas quem tem garra, quem tem vontade é uma profissão maravilhosa que coloca inclusive a gente em contato com o mundo, com pessoas de todos os tipos. É um privilégio.

Formação
Maestro
Leandro Carvalho

Violinos
Luciano Pontes
Pedro Visockas
Joselito Carvalho Albuquerque
Fernando Pereira
Alice Bevilaqua
João Paulo Machado
William Isaac
Jorge Moura

Violas
Camila Meirelles
carlos Eduardo Pereira

Violoncelos
David Gardnel
Pedro Bevilaqua

Contrabaixo
Carlos Eduardo Gomes

Flauta
José Evangelista

Oboé
Ricardo Barbosa

Clarinete
Whatson Cardozo

Fagote
Alexandre dos Santos

Trompa
Welintom Gabriel

Percussão
Alex Teixeira

Agradecemos ao Maestro Leandro Carvalho pela atenção e ao produtor cultural Paulo Macena pelo apoio.

Acesse o blog do Projeto Sonora Brasil, pela Orquestra Sinfônica do Mato Grosso.

Agradecemos também as sugestões de Társis, da banda Princípio Ativo. Estamos tentando ao máximo melhorar a navegabilidade do blog para facilitar o acesso.

O Estúdio continua a falar sobre o mudo musical infantil, de um jeito mais engraçado, leve, dfescontraído: como todo Pitoresco deve ser.

E além disso, mostramos o que mais vale a pena de se escutar desde pequeno. Música de boa qualidade, alto nível educacional, melódico, e por aí vai! É hora de colocar as crianças em frente ao som e à TV!