Snowblind: de fãs a ídolos

topo_snowblind

Nove anos de história, reconhecimento e muita técnica instrumental e vocal: a banda Snowblind, de Belo Horizonte, se apresentou no último dia 17 de outubro em Viçosa, no espaço de shows Galpão, como parte do Projeto Donaxica.

André (guitarra), Breno (vocal e guitarra), Leo (voz e guitarra), Bernardo (baixo) e Lucas (bateria) mantêm um repertório que reúne o início, o lado B e a fase mais recente do grunge de Pearl Jam em cerca de 50 músicas.

De “Amigos do Pitbull” a Snowblind
Lucas – Eu e um outro amigo nosso, o Mingau, tínhamos vontade de montar uma banda e tocamos com o Leo. Acabou que essa banda não deu certo e, nesse meio tempo, eu conheci o André.

A banda que eu tocava com o Leo já estava acabando e ele falou: “Pô Lucão, tava querendo montar uma banda e tocar uns Pearl Jam”. Na época, eu tocava com outros caras também em outra banda e juntei com o André e o Leo e montamos a Snowblind.

Na verdade ela não chamava Snowblind, o que é bem engraçado porque ela chamava “Inimigos do Pitbull” (rs), mas na época ela era uma bandinha bem de garagem mesmo e a gente tocava o que toda banda de garagem toca. Fomos amadurecendo a ideia de fazer cover do Pearl Jam e facilitou pela voz do Leo e por a gente gostar também de tocar. Começamos em alguns lugares de Belo Horizonte em 2000, participamos de um festival que foi muito bom pra gente e acabou que a banda foi criando um nome no cenário de Belo Horizonte.

Leo – A gente tocava muita coisa: Black Sabbath, era uma mistureba do caramba. Só que Pearl Jam era a coisa que eu mais sabia fazer. Aí resolvemos dar ênfase ao Pearl Jam.

A escolha do nome

leo

Leo – É porque nós participamos de um concurso, que o Lucão inscreveu a gente naquela correria e eu lembro até hoje que ele estava na internet, naquele ICQ que ninguém mais usava: “Leo, eu preciso agora de um nome pra banda”. E eu não tinha a mínima ideia. Aí ele falou que ia colocar o nome de uma música do Black Sabbath. Eu disse que ficava ao critério dele e surgiu Snowblind.

Tem lugar que a gente toca, que muita gente entra e paga o ingresso achando que é Black Sabbath. Mas depois respeita, conversa com a gente.

O público
Leo
– Ontem mesmo eu fui em um aniversário de um amigo de Carol, minha namorada, e encontrei com dois caras que vão direto nos shows da Snowblind. São fiéis à banda, estão com a gente desde que começou. E é interessante porque o público do Pearl Jam, com a Snowblind em Belo Horizonte, é a mesma coisa: a galera vai em peso, a gente encontra as mesmas pessoas, vê as mesmas caras.

André – E foi uma coisa totalmente despretensiosa, a gente não sabia que ia dar essa dimensão de público.

Bernardo – Eu estou na banda há menos tempo e eu estava conversando com a minha irmã que o pessoal tinha me chamado para tocar em uma banda cover de Pearl Jam e ela perguntou como chamava. Aí liguei para o Aranha e perguntei como chamava e ele disse Snowblind. E ela: Snowblind? Você vai tocar na Snowblind? Nossa, essa banda é doida demais, entra logo, começa a tirar as músicas agora”. Pensei que era a banda mais famosa de todos os tempos, porque ela estava mais empolgada do que eu.

Lucas – Só que aí ele morreu na praia né? (rs)

A formação e os músicos
Breno – Eu fui o último a entrar na banda, tem uns três anos, mas saí e voltei há um ano e pouco.

Leo – O mais interessante da Snowblind é o seguinte: o direito de ir e vir é total. Sai um, entra outro, porque o nosso vínculo com pessoas igual o Breno, ou o próprio Diogo que é um outro guitarrista que tocou no Snowblind, é muito grande. Todos são pessoas que estão há muito tempo em convívio. Se, por exemplo, o Breno não pode vir até Viçosa por algum motivo dele, tem um outro guitarrista que tocou com Snowblind há muito tempo que vai substituí-lo com o maior prazer. A Snowblind na verdade não são cinco, são uns dez, porque muita gente que tocou ainda tem a liberdade de um dia novamente fazer um show com a Snowblind.

Lucas – Quando eu montei a banda, fiquei tocando uns quatro/cinco anos, saí da banda, toquei com outros caras e estou aqui de novo. E a gente preza muito essa amizade que durante os anos a gente vem fazendo com outros músicos e sempre poder contar também com o apoio de muita gente, de muita gente gostar, respeitar o som da banda e outros músicos até requisitados no mercado quererem tocar na Snowblind. É muito legal ser uma banda respeitada no cenário principalmente de BH, que é muito exigente e muito fechado também.

Pearl Jam por Snowblind
Leo – Pearl Jam não é muito fácil de tocar. A maioria das músicas são muito detalhadas, pra tirar perfeito é muito complicado e exige tempo de todo mundo, tanto meu vocal quanto a guitarra do Aranha, do Breno, a bateria do Lucão, o baixo do Bernardo. Mas a gente enfatiza o som do Pearl Jam na origem. Muita gente fala que é muito pesado, mas é que o Snowblind leva o som do Pearl Jam do início, entre 1990 e 1993.

Quem vai vir hoje aqui no Galpão vai escutar Jeremy, Alive, Black… é o percussor mesmo, são as primeiras músicas do Pearl Jam. E levamos o lado B também no meio do repertório, não são só os hits. Porque o que adianta uma banda ser cover de Pearl Jam se todo mundo toca as mesmas músicas?

Snowblind enfatiza o lançamento do Pearl Jam, totalmente lúdico, mas é o fim também. Levamos músicas do último CD, mas a gente enfatiza mesmo é o início, que é também o que a gente mais gosta e o que todo mundo quer escutar. Pessoal que vai a um show do Snowblind se a gente não tocar Alive, Black, Jeremy eles não deixam acabar o show.

Lucas – Na verdade, quem é muito fã de alguma banda, igual a gente é fã de Pearl Jam, às vezes preza mais o lado B. A gente gosta mais de tocar o lado B porque agente passa a perceber as músicas de uma outra forma que talvez a maioria das pessoas que não escutam tanto, não vejam.

Bernardo – Mas ao mesmo tempo chegar aqui e tocar o que todo mundo quer ouvir e ver a galera correndo para o palco para tocar junto dá aquela garra, aquela energia.

post_snow2

Não era preciso ser fã do grupo Pearl Jam para perceber: de solos de guitarra e bateria ao timbre de voz e interpretações, o que se destaca no show de Snowblind é a perfeição técnica que os integrantes valorizam e, ao mesmo tempo, a espontaneidade e emoção que transparece em cada música.

A vitalidade que o grupo demonstrou no palco refletiu-se na animação do público: a troca de energia adiou o término do show por seis canções. Entre interpretações menos ou mais conhecidas, o coro de admiradores de Pearl Jam juntou-se à harmonia de acordes e, sob o grave tom do vocalista Leo, se transportou para uma noite em Seattle.

···········································

Donaxica
Sob produção de Lara Monteiro, Camila Faria, Pedro Ezequiel e Rafael Vitarelli, o projeto Donaxica tem o objetivo de “trazer à cidade bandas de médio porte que façam referência a bandas conhecidas e já consagradas no cenário musical brasileiro e internacional”.

O show de Snowblind inaugura o Donaxica com o público de cerca de 450 pessoas, contando também com a atração UprojetU, de Viçosa, que tem se destacado no cenário musical da cidade.

···········································

Agradecimentos especiais para os integrantes da banda Snowblind e para a produção do Projeto Donaxica.

Imagem de topo e fotos: Lara Marx.

Anúncios

Nicoloco parte 3 – Bahia em Minas

nicoloco_axemondo

O encerramento da festa Nicoloco foi sob o comando de uma baiana. Natural de Itapetinga, Tatiana Meira e os 11 músicos da banda Axé Mondo assumiram o palco já por volta das 20h40 do sábado (17-10), com um repertório que incluía também músicas próprias.

Antes do show, a vocalista Tatiana falou ao Estúdio ao Vivo sobre a carreira:

Bahia e Minas
Em Minas Gerais a aceitação [do Axé] é bem maior do que na Bahia. Eu como baiana, você também, nós sabemos que lá toca muito forró, muito arrocha, o Axé quase não é tocado. Só nas Micaretas em geral. Minas Gerais hoje é a maior consumidora de Axé no Brasil. Então para nós, baianos que estamos aqui em Minas fazendo trabalho no Axé, é muito legal, a gente pode trabalhar bastante.

Músicas Próprias
Nossas músicas são muito dançantes, tem coreografia, então fica mais fácil para o pessoal cantar. A gente ensina antes e o público dança com a gente.

Pelo Brasil
A gente toca bastante no Rio de Janeiro, nas cidades próximas, como Juiz de Fora e Muriaé, e também no Espírito Santo. Com certeza é muito difícil para uma banda que está começando porque depende muito de investimento e de um empresário que queira investir no seu projeto.

Por enquanto a gente está indo devagarzinho e eu acho até melhor, porque você vai sentindo, vai crescendo no seu trabalho. Isso é bem importante também. É claro que a gente quer sucesso. Mas, enquanto não vem, a gente vai curtindo essa fase boa em que a gente está.

Novos Trabalhos
A gente vai gravar no final do ano, no reveillon, estamos planejando gravar o DVD e o CD.

·······
Agradecemos aos integrantes da banda Axé Mondo e, em especial, à vocalista Tatiana Meira.

Nicoloco parte 2 – Axé mineiro

nicoloco2

A segunda noite de festa Nicoloco (bebida liberada) trouxe bandas mineiras de Axé. Akikalô, de Juiz de Fora, apresentou durante quase três horas desde músicas mais tradicionais do Axé a sucessos de bandas como Chiclete com Banana e Babado Novo. Na estrada desde 2006, o grupo já ganha notoriedade no cenário musical da região Sudoeste do Brasil e prepara DVD á ser lançado em breve.

Antes do show, o Estúdio ao Vivo entrevistou o vocalista Dudu. Confira:

O início
O nosso baterista, Felipão, viajava muito para o Espírito Santo na época. Passava carnaval lá, curtia muito essa onda de trio elétrico, de Axé e trouxe a idéia da gente dentro de Juiz de Fora – onde não havia uma banda de Axé – ser a primeira a fazer esse trabalho.

Inspiração
Primeiro você começa a pereceber as tendências, ver o que o pessoal está tocando, porque tocam muita música que não é Axé, fazem versões. A gente copia muito algumas coisas boas, vê o que “está pegando”, o que é sucesso. Ontem mesmo a gente estava no JF Folia, só para assistir Jammil e Banda Eva, ver o que está rolando.

CD e DVD demo (2007)
Foi um trabalho promocional. A gente não colocou à venda, até por contar com músicas do nosso show como um todo, músicas de vários artistas renomados da Bahia. Isso acabou gerando uma série de coisas boas para a banda, muitos shows que a gente conseguiu fechar. A gente fez esse show [do DVD] no Carnadministrando, aí veio JF Folia, Festa Country, shows no Estado do Rio e em outras regiões de Minas. Aqui em Viçosa também, que é uma cidade universitária, tem o nosso público-alvo. O DVD serviu pra gente conseguir expandir mais nossa área de atuação.

Integrantes da banda Akikalô

Integrantes da banda Akikalô

Músicas Próprias
Eu que faço as músicas e às vezes a gente chega numa cidade em que nunca tocou e uma pessoa fala: toca aquela música de vocês do “Administrando” – porque a gente fez a música para o Carnadministrando, o evento em Juiz de Fora, então a música ficou conhecida e, de certa forma, causou esse alvoroço em torno do Akikalô em 2007. Foi a música que projetou muito a gente e eu fico feliz de ver esse trabalho repercutindo tão bem.

“Ressaca”, que é uma música mais nova, falando de bebida, que está na moda nessas festas. Tem muita bebida liberada igual aqui. Então [fala sobre a] galera beber, mas beber de boa; vai beber então volta para casa de táxi. Essa música tem esse sentido meio educativo.

Novo DVD
Vai haver um pouco do que o pessoal já conhece da gente, esse lado de música pra cima, música alto astral. Isso a gente não vai deixar de manter nesse novo trabalho. Mas também vão ter algumas novidades. A gente está com algumas coisas em mente e o pessoal vai ter uma surpresa com a banda.

Garagem do Faustão
Estamos com o clipe da música “Ressaca”, com uma repercussão muito boa, muita gente comentando, falando bem. Mesmo não tendo sido selecionado para estar lá, a repercussão que isso causa é muito bacana para a banda.

Shows pelo Sudeste
Hoje a gente quase não toca em Juiz de Fora. No final de outubro a gente vai fechar 45 shows em 10 meses e desses, cinco são em Juiz de Fora. A gente está conseguindo manter bastante contato fora. O sábado de Carnaval vamos fazer em Ouro Preto, que é um sonho para qualquer banda mineira estar em um dos melhores carnavais de Minas Gerais – acho que Ouro Preto e Diamantina são os dois tops de Minas. Isso pra gente é uma honra muito grande.

A gente está começando a ampliar um pouco para o sul de Minas, para começar a pegar o Estado de São Paulo também, mas ainda não chegamos lá. Rio de Janeiro a gente tem feito bastante, já tocamos na região de Petrópolis, de Niterói.

·······

Agradecemos a contribuição da banda Akikalô, o produtor João e os organizadores da Nicoloco, em especial Fernando e Friuson.

Nicoloco parte 1 – Todas as faces dos anos 80

post_nicoloco1

Durante muitos anos a cidade de Viçosa tem acompanhado o surgimento de eventos paralelos e em referência à tradicional Marcha Nico Lopes, movimento originado em 1929 em homenagem a Antônio Lopes Sobrinho. Boêmio e dono de um bar na cidade, o personagem inspirou o estudante Antônio Secundino de São José e amigos a criarem a Marcha que servia como suporte para críticas à universidade e à política regional e nacional.

Entre as festas que surgiram como concentração para a Marcha, a Nicoloco acontece desde 2003 e chegou à sexta edição neste fim de semana, com as atrações Banda Ploc e Bolêros do Samba na sexta-feira (16), Akikalô e Axé Mondo no sábado (17). O adiamento do evento em função de orientação da Secretaria Municipal de Saúde sobre a Gripe Influenza A H1N1 não impediu que o público lotasse o Espaço Fama.

banda2

No primeiro dia, a Festa a Fantasia teve como trilha sonora, além de músicas comandadas pelo DJ Kaion, o clima dos anos 80 na voz, instrumentos e brincadeiras dos cariocas Fábio (vocal e guitarra), Rafa (bateria), Neném (baixo), Lorena (vocal) e Hélio (teclados). Integrantes da Festa Ploc, que se tornou a marca das festas estilo anos 80 no Rio de Janeiro, o grupo trouxe repertório que inclui covers variados, do pop-rock de Paralamas do Sucesso, RPM e Capital Inicial a Rosana, Balão Mágico, Trem da Alegria e Xuxa.

Antes do início do show “o melhor, o pior e o mais engraçado dos anos 80”, o Estúdio ao Vivo realizou entrevista exclusiva com o vocalista Fábio. Confira:

Festa Ploc – origem
A Festa Ploc é conhecida pelas músicas dos anos 80. O Luciano Viana, quando fez a Ploc, juntou uma coisa com a outra: quis montar um show que tivesse tanto o lado sério dos anos 80 nacional (Paralamas, Lulu, Kid Abelha), quanto essa parte infantil (Balão Mágico, Simony, Raul Seixas, com Pluct Plact Zum) e de músicas chamadas Bregas (a gente canta Rosana, Wando…).

A gente coloca fantasia, entra o Bozo (um dos integrantes de fantasia do palhaço Bozo durante a apresentação e interage com o público com músicas e brincadeiras). Quando me chamaram para entrar na festa Ploc, eu pensei “vou tocar música de criança?”. Entrei, vi que dava certo, que a gente toca música de criança para adulto.

banda1

Importância dos anos 80
A década de 80 foi a que mais produziu bandas que se mantiveram até hoje. Paralamas, capital Inicial, Lulu Santos Kid Abelha, tem uma lista muito grande de bandas, de cantores, de artistas. Eu, particularmente, acho a década mais forte em termos do que a gente tem até hoje. Depois disso, vinheram os anos 90 que tem Skank, Cidade Negra, Jota Quest, mas é uma outra década que não tem tanta coisa como nos anos 80. E a gente está falando de rock nacional, porque tem o rock internacional e surgiram milhares de bandas.

Revive dos anos 80
Eu gosto muito de tocar anos 80 e a galera gosta por causa disso, porque todo mundo conhece, é uma década que pega várias gerações. A gente quando vai tocar na Ploc não tem só velho, porque anos 80 parece que tem pouco tempo, mas agora em 2010 já são 30 anos. Então, todo mundo curte.

·······
Como encerramento do primeiro dia de evento, a banda Bolêros do Samba, de Ipatinga, subiu ao palco e tocou pagode e samba, garantindo uma variedade ainda maior de ritmos para a Nicoloco.

Amanhã você confere as entrevistas com as bandas de Axé que tocaram no segundo dia de Nicoloco.

Entrevista Chevette Hatch

entrevista_chevette

Com a irreverência e a energia dos anos 80, a banda Chevette Hatch encerrou a festa Flash Back, no dia 09 de outubro, em Viçosa. Logo após a passagem de som, a banda conversou com o Estudio ao Vivo.

···········································

Mais informações sobre a banda Chevette Hatch na entrevista que o Estudio Ao Vivo fez com os integrantes em 2006.

Site Oficial
Chevette Hatch

Entrevista Hocus Pocus

post_topo_hocus

No último dia 09 de outubro, antes do início da Festa Flash Back, os integrantes da Hocus Pocus – cover de The Beatles –  conversaram com a equipe do Estúdio ao Vivo  sobre os 25 anos da banda, a relação com o público e o show que começaria poucas horas depois.

···········································

Confira mais informações sobre a Hocus Pocus na entrevista realizada pelo Estudio Ao Vivo com a banda em 2006.

Site Oficial
Hocus Pocus

No túnel do tempo

post_topo_flash

Na noite de sexta-feira, dia 09 de outubro, mais uma vez o público de Viçosa teve a oportunidade de assistir a “dobradinha” Hocus Pocus e Chevette Hatch. Em mais uma festa Flash Back, organizada pela Comissão de Formatura Janeiro 2010, o Espaço Multiuso da UFV recebeu as bandas belorizontinas em uma noite repleta de The Beatles e a energia inconfundível dos anos 80.

Abrindo a noite, a banda Hocus Pocus [que completa 25 anos de carreira este ano] ofereceu um repertório que fez referência aos 40 anos do álbum Abbey Road e que atendeu aos pedidos feitos pelo público viçosense na comunidade oficial da banda no orkut. O público fiel a The Beatles e a Hocus Pocus fez coro durante as interpretações e levou o show junto com os músicos.

Continuando a festa, a explosão de energia ficou por conta da banda Chevette Hatch. Pela terceira vez em Viçosa, a banda tocou hits dos anos 80 como “Você não soube me amar” (Blitz) e “Lua de Cristal” (Xuxa). Com simpatia, boa música e o figurino típico da década, a banda, que se apresenta semanalmente no Vinil Cultura Bar e Lord Pub em Belo Horizonte, contagiou o público viçosense.

Antes do show, durante a passagem de som, as bandas receberam a equipe do Estudio Ao Vivo para duas entrevistas. O vídeo com as entrevistas você confere aqui, a partir de terça-feira.

···········································

Na próxima semana, vídeos das entrevistas com as bandas.

Agradecimentos aos Formandos Janeiro 2010 e, principalmente, aos integrantes das bandas Hocus Pocus e Chevette Hatch pela atenção.

Sites Oficiais
Chevette Hatch
Hocus Pocus

Imagem de topo: Lara Marx e Amanda Oliveira